Sexta-feira, 4 de Junho de 2010

Discursos Sobre a Cidade - 101 - Por José Carlos Barros

 

.

 

Quase as Vuvuzelas da Selecção

 

um texto de José Carlos Barros

 

http://casa-de-cacela.blogspot.com

 

 

Eram uma espécie de vuvuzelas daquele tempo: o metal em vez do plástico, a mesma forma aproximadamente cónica, um mesmo som esganiçado a abrir e a fender na propagação em eco. Sim, mais pequenas. Vendiam-se a quinze tostões na Feira dos Santos. Um sucesso. Um rapaz, primeiro, e depois outro, e depois todos os rapazes da Vila compraram a gaita – ou comprada lha traziam tios e padrinhos. Durante os dias seguintes não se ouvia outra coisa, da Senhora da Livração ao Jardim dos Correios, dos Correios subindo em duas direcções até ao Alto da Ribeira. O Mestre Zé Serralheiro, de porta aberta ao Largo do Toural, já não suportava pela oficina adentro o som de bandalheira cafre das cornetas. E então chamou um dos rapazes, o mais afoito e comandante de entre todos, e explicou, a voz muito dada, que os instrumentos de sopro lhe pareciam excelentes mas um cibo desafinados. Interrogado logo pelo jovem se não fazia o favor de afinar-lhe a gaita, explicou o Mestre que sim, com muito gosto, mas então que as juntasse todas e o serviço cumpri-lo-ia de uma só empreitada. Assim se fez; e o grupo em coro, sob o comando do moço afoito, foi ao Mestre entregar as gaitas num saco de lona de espantoso volume. Os rapazes à porta – que a nenhum foi dado nunca atravessar a pedra de entrada da oficina a mexer em martelos e escopros, maçaricos e rebarbadoras, vielas ou carretos de mudanças – e o Mestre a juntar sobre uma chapa metálica de dois centímetros de espessura, primeiro alinhadas, logo após em pirâmide cuidadosa, vinte e duas gaitas de quinze tostões compradas na Feira dos Santos de Chaves. A olhá-las de lado. Mas lá lhe terá parecido que o método não seria o mais adequado e voltou a enfiar as gaitas no saco, mexendo-o para que ocupassem bem os vazios, e enfim poisando-o na chapa. Foi o tempo de um ai: ergueu o maço de ferro muito na vertical e arremessou-o violentamente sobre o saco ouvindo-se um estridente barulho espatifado de cornetas. Mestre Zé Serralheiro respirou fundo; olhou os moços ainda suspensos do gesto; e explicou-lhes, numa voz vagarosa e muito adocicada, «que agora é que tocavam afinadinhas que nem os clarinetes da Banda do Couto».

 

E até hoje era proverbial este silêncio dengoso da Vila, espalhado das ruas e largos aos pinhais do Padrão, da Seixa ao Voluntário, do Noro até Onde-se-Juntam-os-Rios. Até hoje: porque ainda há bocado o Inácio saía da ourivesaria e viu uns oito moços a tocar vuvuzelas da Selecção em esganiçado esforço nas escadinhas da Câmara. Temeu o pior. Parou por instantes a caminho do Arsénio e não se teve (dizendo primeiro: «uuuui») que não lamentasse a falta do Mestre Zé Serralheiro: «ou muito me engana o ouvido ou estas gaitas estavam era a precisar de ser afinadinhas na velha oficina do Toural».

 

 



publicado por Fer.Ribeiro às 12:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Abril de 2010

Discursos Sobre a Cidade - 96 - Por José Carlos Barros

 

.

 

Dois sonetos

sobre os impossíveis regressos

 

um poema de José Carlos Barros

 

http://casa-de-cacela.blogspot.com

 

 

Às vezes é preciso regressar às coisas simples:

às folhas das árvores do jardim das freiras

ou à sombra estendida na sissi em dias de feira

a beber uma taça de branco por entre guarda-chuvas

 

pendurados nas costas das cadeiras e chapéus

de feltro a um canto da mesa deixando poisar

a meia-dúzia de pastéis; às edições do notícias

de chaves a duas cores e aos matraquilhos

 

e às máquinas de jukebox do tabolado e ao labirinto

das estantes do silva mocho onde chegámos

a suspeitar que havia de tudo; e aos táxis pretos

 

e verdes olhando-se da escadaria do quiosque enquanto

em duas caixas se puxava o brilho aos sapatos

fazendo estalar um pano e depois ouvindo-o ranger

 

pela fricção num muito rápido e mágico movimento

oscilatório. Às vezes é preciso regressar às coisas

simples: ao jogo do sapo no faustino ou às girafas

da romana e ao foyer do cine-teatro no intervalo

 

do expresso da meia noite com o brad

davis que por muito tempo foi o nosso herói muito

além do sport ou da ibéria e da rua de santo antónio

e das cidades todas de espanha e do estrangeiro. E regressar

 

(sobretudo) ao que não se diz num poema

quando a exaltada juventude nos levava por onde

mais os erros e os perigos se desenhavam.

 

Oh mas quem me dera regressar verdadeiramente

e saber o que sei hoje para repeti-los todos:

todos os erros e todos os perigos.


publicado por Fer.Ribeiro às 01:03
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Abril de 2010

Discursos Sobre a Cidade - 91 - Por José Carlos Barros

 

.

 

 

Um regresso em finais de Março


 

poema de José Carlos Barros

 

http://casa-de-cacela.blogspot.com

 

 

1.

Parecem vir de um tempo anterior ao tempo

os olhares destes amigos que se encontram

numa casa de Santo Amaro

às nove da manhã de sexta-

-feira: abrem os livros e procuram apenas

o que não está escrito

nas páginas dos livros.

 

2.

Não é outra coisa

Isso a que chamamos tempo:

empurra-nos para dentro de nós mesmos

quando mais desejávamos disparar a pedra

que vai de uma a outra margem do rio

sobre a copa dos amieiros altos.

 

3.

Talvez a cidade tivesse mudado pouco

durante os últimos sucessivos anos

e muito no modo como

pareciam iluminadas as sílabas das palavras

quando por esse tempo dizíamos

em voz alta o nome do Largo das Freiras.

 

 


publicado por Fer.Ribeiro às 01:23
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2010

Discursos Sobre a Cidade - 80 - por José Carlos Barros

 

 

 

.

 

A propósito dos desastres

 

um poema de José Carlos Barros

 

http://casa-de-cacela.blogspot.com

 

 

i.

em dezembro de dois mil e nove o que procuramos

na rua de santa maria ao fim da tarde além do perpianho à vista

e das varandas verdes das casas recuperadas que não seja

o poço fundo de passar o tempo por nós

como sob as pontes

a água?

 

ii.

em mil novecentos e trinta e nove já a administração central

sob vigência de sua excelência o marechal carmona 

e em plena ditadura nacional

se gabava de desconcentrar os serviços. hoje o debate

sobre a regionalização não deveria ser contaminado

pela discussão da proficiência de ccdr’s ou arh’s

e não sei que transferências de competências centralizadas

sob pena de tomarmos a nuvem por juno

e apanhar-nos a chuva enquanto nos distraímos

a encanar a pata ao anfíbio.

 

iii.

agarramo-nos à memória e vivemos dela

ou procuramos viver a jogar às escondidas nas veredas

ou nos bosques de caducifólias

a partir do momento em que os imprevistos

telefonemas dos amigos

o mais certo é darem notícias de perdas sucessivas

ou acarrearem inventários de irreparáveis danos em

vez do relato das sombras das árvores

erguidas nas margens dos rios

onde todos os anos jurámos

regressar.

 

iv.

dona teresa de jesus teixeira rumou de chaves a mirandela

nesse preciso ano de mil novecentos e trinta e nove

e aí apondo-se retrato carimbado e

dilucidados dados pessoais

no fim da jornada trouxe consigo o cartão profissional

indispensável a que o tribunal dos

géneros alimentícios (assim uma espécie de primeva asae)

não começasse antes ainda de averiguar

corruptela nos comercializados produtos alimentares

a caçá-la logo por falta de licença.

 

v.

de uns senhores sabemos que devem topar uma grande

novidade no facto tão prosaico de já em

mil novecentos e trinta e um

a reorganização do ministério da agricultura

nos seus pressupostos realçar a necessidade imperiosa

de descentralizar os serviços: e por isso a

dona teresa de jesus teixeira do antigo pasteleiro

com sede em chaves na rua de santa maria

lhe bastou rumar a mirandela ao invés

de perder-se nos corredores em lisboa da inspecção

técnica das indústrias e comércio agrícolas.

 

vi.

num fim de tarde de dezembro de dois mil e nove

o que procuramos na rua de santa maria

é já o que perdemos: o antigo

pasteleiro com recortes velhos de jornais pendurados nas paredes

e uma sombra que o mais certo é começar no mais

fundo do coração de cada um de nós

a acompanhar-nos em redor de um prato de pastéis aquecidos

e de uns bucólicos e insípidos finos

com que persistimos em enganar-nos

a nós mesmos.

 

vii.

isto tudo descobri há bocado

(preparando-me para escrever em verso rimado

o relato inédito dessa manhã de domingo

de mil novecentos e quarenta e dois

em que dona teresa de jesus teixeira contou pormenorizadamente

a maria do carmo ferreira da silva fragoso carmona

o segredo verdadeiro dos pasteis de chaves)

ao receber o telefonema de um amigo

que se resumiu a versar os desastres

a que nos começamos vagarosamente a habituar

e a acomodar.

 

 

 


publicado por Fer.Ribeiro às 01:49
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009

Discursos Sobre a cidade - 75


Discursos Sobre a cidade - 75, originally uploaded by frproart.
 

Uma Conversa Quase Surrealista no Taró

 

texto de José Carlos Barros

 

http://casa-de-cacela.blogspot.com

 

 

         -- Nem sempre cortávamos uma árvore

         -- Cortar uma árvore é sempre um crime.

         -- de raiz. Às vezes cortávamos a parte final de um ramo com a configuração de uma pequena árvore. Era, de qualquer modo,

         -- Isso vai dar ao mesmo.

         -- a nossa árvore de Natal. Este ano, depois de tantos anos,

         -- Vai dar ao mesmo. E

         -- vou cortar de novo uma árvore.

         -- é de uma irresponsabilidade cívica incrível. Podes comprar uma árvore ecológica, podes tu próprio construir uma árvore reciclável.

         -- O Natal vem logo após o solstício do Inverno. Esse momento mágico em que a sombra, enfim,

         -- Não acredito: lá vem de novo

-- cede ao domínio da luz. A luz em vez da treva. O dia, de novo, maior que a noite. Como num ritual

-- o discurso da ruralidade, da suposta supremacia das berças.

-- de passagem. De rapazes que querem ser homens. De homens que querem ser deuses para que possam apenas ser homens. Na amplitude dos montes,

-- Não acredito: este discurso retrógrado, cheio de lugares comuns, vindo de quem mais devia estar próximo da Natureza, da compreensão 

-- nas sucessivas cumeadas, nos vales profundos, no silêncio a atravessar encostas e colinas e valados. O dia maior que a noite. De novo. Como um archote aceso

-- dos fenómenos ambientais. E, mesmo, de um ponto de vista filosófico: comprar uma árvore de plástico, em vez de destruir uma árvore verdadeira, é um sinal

-- contra a adversidade. E então, nesta inesperada (e necessária) desordem, saímos à rua. No Natal, em Trás-os-Montes, saímos à rua. E portanto

-- de esperança num mundo condenado pelo dióxido de carbono,

-- é tão importante uma árvore. Uma árvore que nós próprios cortámos na floresta. Nos montes. Uma árvore verdadeira. Com as suas raízes e a sua seiva. Uma árvore que guarde a casa enquanto saímos à rua. E, na rua, é o fogo (de uma outra árvore) que se ergue na noite. Em redor do fogo nos reunimos. Na estrada. No Meio da Aldeia. Num largo. Em redor de um dos três únicos elementos de culto.

-- pela perda irreparável da biodiversidade, pelas alterações climáticas. É também uma questão de exemplo.

-- Porque em Trás-os-Montes os quatro elementos são três: o pão, a água e o fogo. E o momento, os momentos, os dias seguidos até aos Reis, são mágicos. Porque uma distância, de súbito, parece diluir-se em redor do fogo: entre o que é possível tocar

-- Por isso não faz sentido cortar uma árvore. Até do ponto de vista

-- e o que pressentimos. Entre a pedra e o intangível. Entre o milagre e a memória de uma árvore cortada na serra. E é nesse intervalo, nessa fronteira,

-- da educação ambiental. Repito: do exemplo que damos

-- nessa membrana fina de silêncio que o milagre acaba por impor-se. E é por isso, depois de tantos anos, que vou eu mesmo cortar uma árvore. De novo. E deixá-la em casa. A guardar a casa.

-- a uma geração que precisa de tomar consciência do grave problema ambiental que atravessamos.

-- E sair à rua. Como no tempo antigo. Para que o encontro (a comunhão, ó ímpios!) seja a primeira e renovada Palavra do mundo.

 


publicado por Fer.Ribeiro às 00:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Discursos Sobre a Cidade ...

. Discursos Sobre a Cidade ...

. Discursos Sobre a Cidade ...

. Discursos Sobre a Cidade ...

. Discursos Sobre a cidade ...

.arquivos

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Dezembro 2006

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Solar da família Montalvã...

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds